Construção da segunda fábrica da multinacional brasileira WEG pela Garcia Garcia

1 Março, 2016.

Construção da segunda fábrica da multinacional brasileira WEG pela Garcia Garcia

A Garcia, Garcia (GG), construtora nacional especializada na conceção e execução de edifícios industriais, está a construir no Parque Empresarial da Ermida, em Santo Tirso, a segunda fábrica em Portugal da multinacional brasileira WEG, contribuindo assim para aumentar a capacidade de produção de um dos líderes mundiais no fabrico e comercialização de motores elétricos.

A WEG dedica-se à produção e à comercialização de motores e outros equipamentos elétricos, estando representada nos 5 continentes e possuindo instalações fabris em países como Brasil, Argentina, México, EUA, Portugal, Áustria, Alemanha, África do Sul, Índia e China, com aproximadamente 30.000 colaboradores.

Num curto espaço de tempo, este é o segundo projeto chave-na-mão da construtora para uma multinacional, dado que é também responsável pela conceção e construção da fábrica da Eurocast, em Arcos de Valdevez. Os dois são investimentos internacionais que a GG contribuiu para fixar no país, tendo contado com a colaboração em ambos os projetos da imobiliária Predibisa.

A localização em Portugal “concorreu” diretamente com outras opções de investimento, mas acabou por ser apontada como a mais favorável à implementação do projeto. À semelhança de outros investimentos estrangeiros que a GG ajudou a fixar em Portugal, onde se destacam os das multinacionais Eurocast (concluído em setembro), BorgWarner (Viana do Castelo) e Leica (Famalicão), a construtora participou na definição da localização e em todos os processos com vista à implementação da unidade industrial no nosso país. Foi ainda responsável pelos projetos de arquitetura e engenharia e está a desenvolver a sua execução.

“O desenvolvimento de parques empresariais pela GG – além da Ermida, construímos e exploramos o de Mide, Guimarães – favorece a implementação deste tipo de projetos, uma vez que disponibiliza terrenos para utilização industrial, devidamente infraestruturados e preparados para receber unidades industriais de média e grande dimensão”, afirma Miguel Garcia, um dos três irmãos da quarta geração que lidera a construtora familiar de Guimarães.

Por sua vez, João Leite Castro, responsável pelo departamento Industrial da Predibisa, afirma que “a concretização destes negócios só foi possível devido à eficiente localização dos terrenos, à colaboração e apoios camarários, assim como à rapidez e à qualidade da proposta chave-na-mão, facilitando assim o trabalho dos responsáveis pelos projetos dos nossos clientes e consequentemente a sua aprovação e financiamento dentro da organização.”

Atualmente um dos top três players mundiais na área da fabricação e comercialização de motores elétricos e outros equipamentos elétricos, a brasileira WEG estabeleceu-se em Portugal em 2002, na Maia.
A multinacional prepara-se agora para expandir a sua presença, construindo uma segunda unidade em Portugal.

“A fábrica da WEG na Maia encontrava-se no limite da sua capacidade instalada. Com esta nova instalação, a empresa reforça a sua capacidade de produção, passando para as novas instalações a linha de produção de motores até três toneladas e meia”, refere o Diretor Geral da WEG Eng.º António Duarte.

Este investimento de 15 M€ numa nova unidade fabril no concelho de Santo Tirso que contará com cerca de 150 colaboradores, contribuirá determinantemente para a dinamização da economia local.

Desafio de Engenharia
Com conclusão prevista para este mês, o projeto desenvolve-se num terreno com 44.100 m², inserido numa parcela com 100.000 m2, permitindo a esta nova unidade responder a potenciais necessidades de desenvolvimento da empresa.
De acordo com a GG, a implementação da fábrica em Santo Tirso apresentou-se como um desafio de engenharia, tendo exigido um complexo processo de terraplanagem e de movimento de terras.
Devido às características do terreno, foi necessário a utilização de cerca de cem toneladas de explosivos, tendo sido movimentados cerca de 700.000 m³ de terras.

De modo a responder às necessidades da multinacional, outro dos desafios assumidos pela GG em fase conceptual, foi a maximização da área útil interior e a eliminação de obstáculos físicos estruturais na área de produção. Para o efeito, foi concebida uma malha estrutural alargada, reduzindo o nº de pilares no interior da área de produção, favorecendo a liberdade e modularidade na definição e implementação do layout industrial por parte da WEG.

Fonte: Garcia, Garcia via Marlene Silva – Pure Ativism | Imagens (adaptadas): Garcia, Garcia via Marlene Silva – Pure Ativism






Ferrovial Inaugura Projeto Rodoviário Dinâmico no Texas
Fernandes Arquitetos Associados projeta novo Hospital Regional em Caraguatatuba
Garcia, Garcia selecionada pela Eurocast para construção de unidade industrial em Estarreja

         
         

Comentar

* Obrigatório